X

ACESSE SUA CONTA

Esqueci minha senha Acessar

NÃO POSSUI CADASTRO

Fazendo seu cadastro, você:

- Receberá notícias, novidades ambientais e mobilizações;

- Saiberá com antecedência sobre eventos;

- Ou sua empresa podem se cadastrar e participar da nossa causa;

Criar cadastro Cadastrar empresa

Viajando Cidadania

Bacia
Pinheiros-Pirapora
Cidade
Osasco/SP
Corpo d´Água Monitorado
Bussocaba
Ponto Monitorado
Av Bussocaba em frente ao número 1354, ao lado da passarela de pedestre -23.54946102252,-46.775151035473
Tipo
Outros
Faixa Etária
Adultos

  Voltar   Lista de grupos

Sobre o Grupo

O Tietê tão severamente castigado pela ação humana em nome do "progresso industrial" precisa também sentir que é hora de uma transformação e que ela surge pela ação de uma sociedade que floresce através da conscientização do grave problema ambiental que afeta o planeta. Esse desabrochar trará luz ao rio através da despoluição e com a vida voltando a renascer em suas águas o espelho do rio irá refletir um retrato de uma sociedade que, mesmo diante de graves dificuldades sociais, ainda tem forças para atuar em prol desse personagem histórico paulistano: O Rio Tietê. Muitas vezes já ouvi pessoas reclamarem do Tietê, do seu cheiro fétido e de como ele é feio e causa horror aos visitantes que chegam à cidade pela marginal, já até ouvi que ele é o pior símbolo de São Paulo. Isso me causou tristeza e inquietação, penso que a população precisa compreender que todos nós colaboramos para esse cenário atual do rio e que é urgente e necessário que iniciemos um processo contrário, de resgate da sociedade em prol da transformação do rio. Se o rio é considerado o lixo da cidade é reflexo de todo um histórico de degradação no qual, no mínimo, nos omitimos e não o defendemos. O projeto Observando o Tietê é retrato de que nem tudo está perdido e é gratificante para o grupo fazer parte desse movimento de mudança pela estrada da educação ambiental. Maria Ivone Neto Cordeiro Moradoras de Osasco ‘lêem’ ambiente e criam gibis ambientais Duas amigas se unem para dar continuidade ao grupo de monitoramento Viajando Cidadania, fazem parceria com Parque Chico Mendes e lutam para trazer o meio ambiente ao dia-dia da população de Osasco; projeto de diagnóstico e educação ambiental desperta o interesse da prefeitura. A participação do grupo Viajando Cidadania com o monitoramento do córrego Bussocaba, em Osasco, começou embalada por muito rock. Em 2003, durante show do Projeto Rock Cidadania, promovido pela rádio 89FM, Maria Ivone Neto Cordeiro conheceu o diretor institucional da SOS Mata Atlântica, Mário Mantovani, e se interessou pelo projeto ‘Mãos à Obra pelo Tietê’. Menos de dois meses depois, Ivone e um grupo de amigos estudantes de Turismo já iniciavam o monitoramento do Bussocaba, que nasce no Parque Ecológico Chico Mendes e atravessa toda a cidade até desaguar no rio Tietê. Canalizado em grande parte de sua extensão, o córrego ainda recebe o esgoto de diversos bairros da cidade, embora coletores-troncos já tenham sido instalados em alguns pontos. O interesse do grupo, entretanto, não durou muito. Passada a empolgação inicial dos primeiros meses, os membros se dispersaram, restando apenas Ivone e Amanda Paz, que, desde então, se revezam no monitoramento mensal. Diferentemente do que se poderia imaginar, as amigas não desanimaram. Pelo contrário, as duas elaboraram um projeto de diagnóstico e educação ambiental, tendo como parceiros a escola EMEI Estevão Brett e o Parque Ecológico Chico Mendes, onde se localiza a nascente do Bussocaba. A idéia é criar um projeto-piloto que depois seja colocado em prática em outras regiões da cidade. Ivone conta que até iniciar o monitoramento nunca havia ouvido falar em Ph, demanda química de oxigênio e outros parâmetros utilizados mas que sempre se interessou pela questão da água, afinal, a pernambucana de Araripina conviveu com a falta dela no sertão nordestino desde pequena. O monitoramento veio a aproximá-la novamente da questão e a ajudou a enxergar o córrego de outra forma: “É uma ferramenta simples que nos leva a observar o entorno, o lugar onde a gente vive – a partir daí, a gente vai questionando, vai percebendo problemas”. Amanda é a cabeça criativa da dupla – apesar do pouco tempo disponível por conta da faculdade e do trabalho em hotelaria, ela criou um gibi ambiental para o projeto de educação ambiental. E a Secretaria de Meio Ambiente de Osasco já se mostrou interessada na idéia. Em março deste ano, Ivone apresentou o método de monitoramento ao chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, realizando a aferição na nascente do Bussocaba, no Parque Chico Mendes. Ivone está feliz com a aproximação da secretaria, mas acha que a participação da comunidade é fundamental. “É preciso fazer com que as pessoas se sintam responsáveis pelo ambiente onde vivem para não deixar tudo apenas nas mãos do governo. Não existe programa que dê certo sem a participação da população. As pessoas só entendem se participarem; senão fica uma coisa muito teórica, muito longe da realidade”. Assim, ao mesmo tempo em que dialoga com a prefeitura, Ivone e Amanda tentam trazer mais pessoas para participar do monitoramento e fortalecer o grupo. Elas estão em contato com escolas e grupos de leitura organizados pela biblioteca municipal. Por enquanto o monitoramento conquistou a filha de Ivone, Bruna, de 10 anos, que sempre acompanha a mãe à campo – ela ajuda a comparar os parâmetros e faz anotações durante o monitoramento. O envolvimento e conscientização de Bruna já renderam até prêmios – ela ganhou um concurso de poesia promovido pela biblioteca e também um concurso de desenho sobre meio ambiente promovido por uma empresa multinacional. Mas o desenho de Bruna não mostra uma floresta com animais selvagens ou uma paisagem intocada – pelo contrário, trata de um ambiente bem urbano, muito próximo à realidade desta criança que vive em uma cidade de mais de 800 mil habitantes. Bruna entendeu bem que o meio ambiente é uma mistura entre o lugar em que a gente vive e a floresta intacta dos nossos sonhos.

Período de Análises:

Não há análises cadastradas por este grupo neste período.